• DirtAction

Honda Racing anuncia novidades para o Sertões


A Honda Racing apresentou o mais novo piloto da equipe de rally para a 28ª edição do Sertões. O mineiro Thiago Veloso será o representante do time na categoria Brasil, exclusiva para motocicletas nacionais, com a CRF 250F. O anúncio foi feito nesta segunda-feira (26/10), durante coletiva de imprensa online oficial da competição.


Outra novidade é que o paulista Bissinho Zavatti passa a disputar a classe Moto 2 (antiga Production Aberta), com a CRF 450RX. Atual bicampeão geral das motos, o mineiro Tunico Maciel defende o título do Sertões, desta vez pela Moto 1 (Super Production), ao lado de Jean Azevedo – que possui sete vitórias na prova. A dupla acelera novamente a CRF 450RX. A Honda Racing, com nove títulos na geral das motos, foi a equipe campeã das últimas cinco edições do Sertões e tem como meta ampliar a sua hegemonia.


A competição terá início na próxima sexta-feira (30/10) com o prólogo, no Autódromo Velocitta, em Mogi Guaçu (SP), e segue até o dia 7 de novembro, quando a caravana chega em Barreirinhas (MA). Serão 4.567 quilômetros percorridos, 1.842 deles de especiais (trechos cronometrados), que incluem passagem pelo Distrito Federal e os estados de Goiás e Tocantins. A prova é válida também pelo Campeonato Brasileiro de Rally Cross Country. Natural de Três Pontas (MG) e atualmente residente em Ponte Nova (MG), Thiago Veloso tem 36 anos e bastante experiência em provas de enduro. “Já estava me preparando para participar do Sertões no próximo ano, mas recebi o convite do Dário Júlio (chefe da equipe Honda Racing de Rally) e não tive dúvidas em aceitar. É um grande sonho e uma grande responsabilidade estar nesse time, ao lado de pilotos incríveis”, ressalta Veloso. “Quero me dedicar para trazer um bom resultado. Conheço muito bem a CRF 250F, tenho andado com esse modelo desde o final de 2018. É uma moto que me adaptei muito bem e inclusive ganhei com ela o Enduro da Independência 2019, na categoria Brasil”, conta o piloto, que também tem títulos nos campeonatos mineiro, paulista e mato-grossense de enduro. Com a chegada do Thiago Veloso na equipe, o paulista Bissinho Zavatti, 34 anos, tetracampeão da competição na Brasil, terá no Sertões 2020 um novo desafio. “Categoria nova e moto nova! Fiquei feliz demais com a oportunidade, o que mostra que venho fazendo um bom trabalho com a equipe Honda Racing. Estou bem focado e me dedicando bastante. Já me adaptei rapidamente à CRF 450RX, que é uma moto muito boa e fácil de andar. Tenho treinado bastante, participando de algumas competições, justamente para chegar ao Sertões com força total”, destaca Zavatti. Ele carregou por muitos anos o título de “rei da CRF 230F e da CRF 250F”, ao colocar os modelos nacionais Honda no Top 10 do Sertões. Além de Veloso e Zavatti, a equipe Honda Racing conta com dois grandes nomes do Sertões. o bicampeão Tunico Maciel e o experiente Jean Azevedo, maior vencedor da história das motos. A ausência deste ano será do gaúcho Gregório Caselani, vencedor do Sertões 2016, que se machucou durante os treinamentos na região onde mora, no Rio Grande do Sul, há menos de um mês.   Dário Júlio, chefe de equipe da Honda Racing, explica a estratégia. “Estamos há mais de um ano planejando o Sertões 2020 e tivemos que lidar com vários imprevistos, que sempre fazem parte de uma prova de rally. Assim, remoldamos dessa forma a nossa estratégia para manter três pilotos acelerando a CRF 450RX.”


Para Maciel, 26 anos, a expectativa é a melhor possível. “Estou bastante confiante, me dediquei e não medi esforços para treinar cada vez mais. Tenho certeza de que estou na melhor forma física e também na pilotagem. Essa preparação vem de muitos e muitos meses e não de um dia para o outro”, lembra. “Teremos um Sertões de cara nova, diferente, em “bolhas”, totalmente isolado. Não teremos aquele carinho do público e amigos, mas estou feliz e agradeço o esforço de toda a organização por conseguir viabilizar a competição”, completa o mineiro de Lavras. Todas essas adaptações foram necessárias devido à pandemia do coronavírus, de acordo com os novos protocolos de saúde e segurança. Além do acesso restrito ao evento, será obrigatório uso de máscaras, apresentação de testes RT-PCR, distanciamento social e medição de temperatura. “Para mim, essa estrutura de bolhas não é novidade. No Dakar é assim, com acampamentos longe da cidade e somente pode entrar quem está inscrito na prova. O lado positivo é que vai aumentar o foco e a concentração não só dos pilotos, mas também da equipe de apoio”, diz o paulista Jean Azevedo, 46 anos e dez vezes campeão brasileiro de Rally Cross Country.

Nas últimas semanas, Azevedo também intensificou os treinos. “A preparação está sendo forte desde que voltei do Rally RN 1500, mês passado. Neste ano, a disputa promete ser acirrada do início ao fim. As especiais não serão tão longas, mas devem ser bem duras. Logo no segundo dia teremos a maratona (na qual os pilotos não podem ter ajuda mecânica externa) e a última etapa será na areia. Vamos ter emoção do primeiro ao último dia. O bom é que estaremos pelo terceiro ano com a CRF 450RX, modelo campeão que já conhecemos bastante”, evidencia o piloto.


A equipe Honda Racing de Rally é patrocinada por Pro Honda, ASW, Alpinestars, DID, Michelin e Seguros Honda.


Confira o roteiro completo do Sertões 2020*:

30/10/2020 – sexta-feira - Prólogo Velocitta - Mogi Guaçu (SP) Com 4.730 metros, o percurso será sinuoso, com algumas retas e com piso liso (misto de cascalho e pedrisco), que exigirá muita perícia e concentração.

31/10/2020 - sábado 1ª etapa – Velocitta / Mogi Guaçu (SP) a ponto do deslocamento para a Bolha 1 Deslocamento inicial: 260 km Trecho especial: 205 km Deslocamento final: 120 km Total: 585 km

O Sertões 2020 tem início com uma especial em região montanhosa, muito bonita, em estradas de piçarras. O trecho traz lombas e pontos sem visão. No km 30, começa a subida de uma serra com lajes de pedra e abismos dos dois lados, onde a navegação será fundamental. A partir do km 100, haverá estradas vicinais estreitas dentro de pequenas fazendas. Os últimos 20 km serão mais rápidos, em uma zona agrícola.

1/11/2020 – domingo Dia de deslocamento inicial e manutenção Deslocamento até Bolha 1: 580 km 2/11/2020 - segunda-feira 2ª etapa – Bolha 1 / DF a Bolha 2 / GO - 1ª parte Maratona "Renê Melo" Deslocamento inicial: 159 km Trecho especial: 353 km Deslocamento final: 0 km Total: 512 km

No segundo dia da prova, será realizada a parte inicial da Etapa Maratona, batizada de Renê Melo - piloto de carro falecido em maio deste ano que participou diversas vezes do Sertões. Sem poder contar com qualquer auxílio das equipes de apoio, os competidores encaram a especial de 350 km que promete estar entre as mais duras e completas da edição 2020. O trecho começa rápido, com mata-burros e pontes (em algumas delas haverá radar). Ao chegarem em uma fazenda particular, haverá uma subida de serra em trial, na qual será preciso muita atenção. 

No alto, diante de um visual incrível, os competidores seguem pelo topo da serra, marcado por lajes de pedra. Saindo da fazenda, as velocidades serão maiores em uma estrada rápida, de pilotagem prazerosa, mas com algum fesh fesh. Haverá travessia por um rio até atingirem uma pista travada e estreita. Nos últimos 50 km da especial, a velocidade volta a subir até chegarem na zona de radar, terminando dentro do parque de apoio.

3/11/2020 - terça-feira

3ª etapa - Bolha 2 / GO a Bolha 3 / GO - 2ª parte Maratona "Paulo Gonçalves" Deslocamento inicial: 0 km Trecho especial: 200 km Deslocamento final: 169 km Total: 369 km

Na segunda parte da Etapa Maratona, o homenageado será o piloto português de motocicleta Paulo Gonçalves, que faleceu após um acidente no Rally Dakar 2020. O dia promete ser bem completo, mesclando velocidades altas, médias e baixas. Apesar dos 10 km iniciais bem velozes, a especial logo entra em uma dura subida de serra, com muitas pedras, depressões, pontos sem visão e trechos sinuosos com abismos dos dois lados. Após muito sobe e desce, na metade da especial, por volta do km 100, haverá uma longa descida. O piso terá fesh fesh e exige cautela nas ultrapassagens. Os competidores passarão por dois grandes rios com pedras e vão encarar uma serra íngreme no final, por região não povoada e solo com muitas pedras e cascalhos. 

4/11/2020 - quarta-feira 4ª etapa - Bolha 3 / GO a Bolha 4 / TO Deslocamento inicial: 26 km Trecho especial: 329 km Deslocamento final: 295 km Total: 650 km

O dia começa muito rápido, no estilo das especiais no Campeonato Mundial de Rally (WRC), e fica mais lento quando entra em um trecho com mata-burros, pedras e pontes - em algumas delas haverá radar. O grande desafio será o trecho de 60 km de areia, no qual a navegação será exigida ao máximo. Após o abastecimento, os competidores enfrentarão caminho travado e pontos de trial, em terreno característico de cerrado. Nos últimos 60 km, curvas de altas velocidades e chão com piçarra. 

5/11/2020 - quinta-feira 5ª etapa - Bolha 4 / TO a Bolha 5 / MA Deslocamento inicial: 99 km Trecho especial: 227 km Deslocamento final: 284 km Total: 610 km

Apesar dos km iniciais travados, a especial imprime altas velocidades em um trecho de areia, ao lado de uma plantação de eucaliptos. O terreno arenoso fica bem mais pesado até a metade do trajeto, quando assume as características do Jalapão, no Tocantins. Os competidores encerram a especial em terreno de piçarra, onde poderão atingir altas velocidades e sentir o prazer da pilotagem. 

6/11/2020 - sexta-feira 6ª etapa - Bolha 5 / MA a Bolha 6 / MA Deslocamento inicial: 128 km Trecho especial: 300 km Deslocamento final: 313 km Total: 741 km

A especial já começa com belas paisagens, por estradas de médias velocidades que vão ficando cada vez mais estreitas e travadas. A partir da metade, o trajeto fica mais rápido, com lombas e depressões. Haverá dois trechos com retas muito longas, de altíssimas velocidades, em terreno de piçarra. No final, será preciso mais atenção para completar a especial em trechos arenosos. 

7/11/2020 - sábado 7ª etapa - Bolha 6 / MA a Barreirinhas (MA) Deslocamento inicial: 258 km Trecho especial: 223 km Deslocamento final: 34 km Total: 515 km

A organização do Sertões promete deixar a melhor especial para o final. Com prova na areia, a navegação fará toda a diferença. Após um começo travado em piçarras, o trecho fica arenoso à medida que cruza pequenos riachos, os quais estarão secos na época da prova. Após o abastecimento, praticamente na metade da especial, as dificuldades serão extremas por conta da areia e da parte final com navegação por GPS em dunas. Com muitos way points a serem cobertos, qualquer erro pode ser fatal. O final em Barreirinhas promete ser apoteótico, a imagem a ser gravada nas memórias dos participantes. Chegar ao final do Sertões 2020 já será uma grande vitória. 

TOTAL DO PERCURSO: 4.567 km TOTAL DE ESPECIAIS: 1.842 km

* O roteiro é fornecido pela organização do evento e está sujeito a alterações. 






REVISTA DIRT ACTION

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram